quarta-feira, 15 de maio de 2013

Antes de engravidar eu não sabia que...

Antes de engravidar eu não sabia que ficaria eufórica ao ver dois riscos no teste de gravidez de farmácia.
Eu não sabia que um amor aconteceria tão rápido, só com um simples positivo. 
Eu não sabia que mudaria meus hábitos tão rápido.
Antes de engravidar eu não sabia que sentiria tantos enjoos, teria tanta queda de pressão e que iria sentir tanta vontade de ir ao banheiro. Também não sabia que era possível alguem vomitar tanto e ainda perder peso na gravidez.
Antes de engravidar eu não sabia que sentiria cólicas.
Antes de engravidar eu não sabia o quanto era importante um pré natal, uma ultra sonografia e que teria consultas todos os meses com minha GO. também não sabia que a gravidez é contado por semanas e o quanto é importante semana a semana.
Eu não sabia que iria chorar ao ver uma imagem mesmo que em preto e branco, borrada e sem entender nada. Também não sabia que um coraçãozinho tão pequeno batia tão forte e acelerado.
Antes de engravidar eu não sabia o que era azia e queimação.
Antes de engravidar eu não sabia que teria manchas na pele e dores nos peitos, estrias e varizes.
Antes de engravidar eu não sabia o quanto é maravilhoso sentir um bebê mexendo dentro da gente.
Antes de engravidar eu não sabia que iria me sentir a mulher mais linda do mundo, mesmo com alguns kilos a mais.
Antes de engravidar eu não sabia que passaria tanto tempo olhando e passando a mão na minha barriga. Também não sabia que passaria horas conversando com a barriga.
Antes de engravidar eu não sabia que teria tanta gente feliz e contando junto os 9 meses.
Antes de engravidar eu não sabia que passava 12 meses e não chegava os 9.
Antes de engravidar eu não sabia que teria dificuldade para dormir. Também não sabia que sentiria tanta falta de ar.
Antes de engravidar acho que eu não sabia nada.

E  você mamãe, o que não sabia antes de engravidar? Quero saber, compartilha aqui!

* Próximo será antes dos meus filhos nascerem eu não sabia...


quinta-feira, 9 de maio de 2013

Doce ilusão.

Quando o Rodrigo nasceu decidimos que sairia do meu emprego para cuidar dele. Principalmente nesses 12 meses, já que tem todo o acompanhamento médico e os cuidados com um bebê. Mas para isso teria que assumir não só a função de mãe, como também de administradora do lar (rs), para o orçamento não ficar apertado teria que assumir 100% as tarefas de casa. Ou seja, só aumentou os meus deveres. Mas tudo bem, o que mais queria era estar pertinho do meu filho. No inicio foi aquela loucura. Quando ele era bebê ainda estava mais fácil apesar de complicado (rs), mas veja, eu tinha o luxo de as deixar de fazer uma comida e pedir alguma coisa para comer, já que o serviço de casa tomou o meu dia todo, ou as vezes deixava de passar um pano no chão, já que ele só ficava no colo. Aí ele começou a comer, esse luxo de não cozinhar acabou. Depois ele começou a se arrastar pelo chão, não tinha mais o luxo de deixar um dia sem passar um paninho no chão. Entre outros deveres... Aí nasceu a Mariana e mesmo ela sendo bebê os deveres só aumentarão, mais roupa para lavar e passar, depois ela começou a comer e a comidinha dela ainda é diferente da nossa, então tenho que cozinhar para ela e para nós, enfim quem assumiu essas funções sabe exatamente o que estou dizendo.

Doce ilusão porque com todas essas funções fica difícil dar atenção 100% aos nossos filhos, muitas vezes temos que deixar chorando um pouco para terminar de pendurar uma roupa ou então deixa a roupa na máquina e vai pendurar só quando é possível. Serviço de casa é braçal, tira toda a nossa energia e é um serviço sem fim, você limpa hoje, amanhã e finais de semana, feriado e a casa está sempre suja, você precisa cozinhar e cozinhar, é café, almoço e janta no minimo e com criança é suco, fruta, lanchinho e isso gera louça e mais louça rsrsrs e quando ficamos disponível para nossos filhos??? Ou até mesmo para nós??? Queria poder brincar com meus filhos, leva - los ao parque, passar horas no chão da sala espalhando os brinquedos, cuidar 100% deles.
As vezes digo para minha sogra que estou cansada e que gostaria de ganhar na megasena (rs) e ela acha que sempre vou contratar um monte de babás, quando na verdade gostaria de um monte de empregados para cuidar da casa.
Duas coisas me deixa irritada nisso tudo: não dar atenção necessária aos meu filhos e ainda as pessoas acharem que você está sempre dormindo. Muitos parente ligam aqui e a primeira coisa que falam é: você estava dormindo??? Nesses 3 anos posso contar nos dedos quantas vezes pude dormir, mas mesmo dormindo durante o dia vinha o arrependimento, porque as coisas a fazer acabava se multiplicando.
Pois é, doce ilusão que vamos ficar em casa cuidando dos nossos filhos, infelizmente.

terça-feira, 7 de maio de 2013

Homenagem dia das Mães

No dia 04 de maio de 2013 o Rodrigo participou da homenagem para as mães que a escolinha preparou. 
Parentes e amigos próximos sabem que o Rodrigo começou a falar esse ano, já com quase 3 aninhos (puxou o avó materno né), e a comunicação sempre foi um problema, mas isso é um longo assunto para outro post (rs). O que quero dizer é que quando vi ele ali no palco cantando parte da musica fiquei muito emocionada e  feliz. 
Antes da apresentação estava muito ansiosa, porque não tinha ideia do que poderia acontecer, pois foi a primeira vez que ele esteve diante de um monte de gente e a atração era as crianças, estava me preparando para o pior (rs), pensei que ele iria chorar, sair correndo ou se negar a subir no palco, mas NÃO, ele simplesmente fez o que tinha que fazer. Mega orgulhosa.
Então quero registrar aqui que a primeira musica que ele cantou foi: Quando Te Vi - da Simony
Obrigada Spaço pedacinho do céu, professora Viviane e todas as tias envolvidas nesse trabalho.

 Meu pequeno ator (rs)
O difícil foi conseguir uma foto com a Mariana olhando, ela simplesmente queria arrancar o sol da roupinha do Rodrigo, mas está valendo.


sábado, 4 de maio de 2013

Os probleminhas que tive na amamentação...

Amamentação!!!
Não sei porque as pessoas não contam as partes digamos, chatas, da gravidez e do pós. Acho que não tem tanta importância assim. (O que vou escrever aqui, foi o que EU passei, não sei se outras mães passaram por isso, mas eu passei com os meus dois filhos)
Sempre ouvi que é importante amamentar o bebê até os 6 meses exclusivamente com o leite materno, por possuir tudo o que o bebê precisa além de anticorpos e muito mais. Sobre a amamentação foi só isso. E eu sempre fui a favor disso. Pelo motivo de saúde do bebe, da mamãe e também porque formulas são caras (rs).
Com o Rodrigo e com a Mariana, os processos e probleminhas foram praticamente os mesmos.  A mãe de primeira viagem: Ainda no hospital umas 3 horas após o parto uma enfermeira entra no quarto para verificar meu peito, levei um apertão para ver se tinha leite ou o que eles chamam de colostro. Logo ela explicou que o bebê não nasce sabendo mamar e fazer a pega no peito, por isso seria importante insistir. Minha GO explicou que o parto cesária o leite costuma demorar um pouco mais para descer (de onde eu não sei rs) por causa dos hormônios. Depois entrou um pediatra para falar sobre os exames feitos no Rodrigo e pediu para manter ele o quanto pudesse no peito, para fazer o reconhecimento da mãe, para aprender a tal da pega e também sugar. Até aí tudo bem. Depois recebi uma pomada para passar no peito para evitar rachadura, cortes e machucados. E foi aí que eu entendi!! no segundo dia meus peitos estavam machucados, doloridos e até mesmo sangrando. O Rodrigo chorava de fome e eu de dor, mesmo assim eu continuei.
O Rodrigo foi muito chorão e vivia pendurado (famosa frase fazendo o peito de chupeta), tudo ele abria o berreiro e tava ele lá do jeito que queria. Minha sogra já dizia que meninos são fominha e de fato, eu não sofri o problema "chupeta" com a Mariana.
Tinha em minha mente que o leite materno era a melhor opção, até que ele não parava de chorar e também havia perdido peso. 
No desespero de mãe acabei comprando um leite, e tentei dar para ver se ajudava, mas não teve jeito, até que finalmente encontrei um pediatra que foi curto e grosso. Jogue fora a formula, a mamadeira e aposte em seu leite. Seu filho não chora por fome e todos os RNs perdem peso.
Dito e feito, parei com a formula e ofereci somente o peito. ele começou a engordar depois de 15 dias como previsto o pediatra e os choros continuaram por muito e muito tempo, mas até que descobri e percebi que ele sofria de cólica e gases. Amamentei até os 6 meses "digamos que exclusivo" e depois continuei até o mês em que completaria 1 ano.
Com  a Mariana, tive dor, sangramento, cortes do mesmo jeito e uma coisa que também tive com os 2 foi o peito vazando, o corpo demora um pouco para entender os horários das mamadas e também a quantidade necessária, até que um dia fica tudo normal.
A Mariana também perdeu peso e ganhou depois de 15 dias, ela eu posso dizer que amamentei exclusivamente com o leite materno até os 6 meses, porém precisei parar quando ela fez 8 meses. Já comendo papinha ela começou apresentar manchas na pele, alergia alimentar, então a médica passou a questionar o que eu estava comendo. Fala sério, fiquei preocupada e parei de amamentar e como o resultado de alergia a leite deu negativo então parei mesmo. Não sei se foi o hormônio da amamentação, mas só sei que com os 2 eu só perdia peso enquanto a amamentava. Outra coisa que deixa a gente maluquinha são os hormônios.
Depois que a gente ganha a experiência e as coisas ficam bem, dá pra curtir mais esse momento e aí sim criar o vinculo, mamãe bebê.
Outra parte boa é que você não precisa levar na bolsa mamadeiras e formulas para preparar quando necessário, o leite do peito já está prontinho e na temperatura certa.
Acredito que por causa da amamentação em um mês já estava com o meu peso de quando engravidei (iupe!!!)
Amamentar não foi fácil, mas tive paciência e acreditei que ofereci aos meus filhos o melhor leite do mundo.


quarta-feira, 1 de maio de 2013

Um dia pós o parto.

No dia seguinte do parto vem 2 enfermeiras dizendo que vão ajudar no banho, a hora mais esperada depois do parto é o banho, você quer ficar limpa, cheirosa e com aquela sensação gostosa do pós banho (rs), mas... Porque 2 enfermeiras? Isso foi nos dois partos, quando o Rodrigo nasceu eu não sabia, mas o nosso primeiro banho é muito dolorido, não sei se a anestesia já passou totalmente, não se porque ficamos muito tempo deitadas, não sei, só sei que doeu muito nos 2 pós partos foi assim. Comentei com minha prima que também fez cesária e ela confirmou que aconteceu o mesmo. Não foi aquele banho relaxante, mas tudo bem... viriam outros banhos não relaxantes, com bebe em casa e sozinha, a gente mal toma banho.
Como foi cesária teria que ficar no hospital por 3 dias, parto normal são 2 dias. Mas parece uma eternidade, a vontade de ir para casa é grande, ao mesmo tempo que tudo parece acontecer depois que saímos de lá, é uma loucura. Pode apostar, tudo acontece e sua cabeça fica com muitas duvidas e cada um que tenta ajudar te deixa mais louca ainda. 
Mariana se comportou muito bem todos os dias no hospital, demonstrou ser muito tranquila e diferente do Rodrigo que já no hospital chorava bastante.
Quando o Rodrigo nasceu eu queria sair logo no hospital para chegar em casa com meu filho e apresentar toda a casa para ele e iniciar a nossa vida, já quando a Mariana nasceu eu queria ir para casa não por esses motivos, mas porque queria estar ao lado do Rodrigo que ficou muito confuso com tudo que estava acontecendo e foi a primeira vez que passamos uma noite longe um do outro. 
Próximo post quero contar sobre a amamentação. Não foi nada fácil e ninguém havia me dito dessas dificuldades, para depois saber que é um problema que muitas mulheres tem.